Close
Essa moda de ser sustentável…

Essa moda de ser sustentável…

Arquitetura é muito mais do que lapiseira e papel! Pra você que concorda, nesta série trataremos de todos os aspectos reflexivos que envolvem esse imensurável mundo arquitetônico no qual vivemos.

Hoje é comum ouvirmos falar de sustentabilidade, quase como se fosse moda, aliás, de fato, é moda. Há alguns anos, quando “arquitetura” nem passava pela minha cabeça, eu ouvia falar desse tema, já estava vindo à tona, mas ao chegar ao meu primeiro semestre de faculdade fui bombardeada com milhões de informações novas e fui tomada por um desejo de fazer alguma coisa. Mas, fazer o que?

Ser sustentável! Tema difícil! A resposta escapa pelas beiradas… Deixa margens de mais para “supor”. E em arquitetura o equilíbrio entre o sólido e o maleável é essencial.

Temas e temas foram explorados. Design sustentável. Construção sustentável. Canteiro de obras sustentável. Até os engenheiros entraram na onda da sustentabilidade. Mas me questionei em um ponto. É possível realmente SER sustentável? 100% sustentável? Creio que não!!!

Vemos empresas que vendem essa imagem de sustentabilidade…”eco” celulares, feitos de garrafas pet e papel reciclado, mas implícito no seu gesto de sustentabilidade ao comprá-lo há o níquel presente nas placas internas, as máquinas a energia elétrica que trabalham dia e noite reciclando o plástico, há a duração dos aparelhos cada vez menor obrigando você a descartá-los e adquirir novos cada vez mais rápido, ou seja, quanto mais tentamos ser sustentáveis mais falhamos.

O Brasil é pioneiro em “comprar lixo de fora”. Compramos tanto materiais para reciclagem, aparelhos eletrônicos para extrair metais nobres (muito bom, ajudando o mundo), quanto pneus inutilizados no exterior  para “recauchutá-los” e vendê-los como novos aqui. Mas “tá aí”, e quando para nós eles forem lixo? Haverá outros dispostos a comprá-los? Creio que não!

O que podemos perceber é que a sustentabilidade é “parcial”. Certa vez li um texto de Frank Lloyd Write que dizia algo como “varremos nossa sujeira para baixo do tapete dos outros”, ou seja, concertamos aqui e “ferramos” acolá.

Então galera “se liga”, a resposta consiste em não busquem a sustentabilidade! Busquem a consciência!!! Hajam sim pensando no amanhã! Nos seus filhos e no mundo que você quer deixar pra eles! Já faz tempo que esse papinho piegas se tornou a mais pura verdade!

Arquitetos (e aspirantes a) façam sua parte sem “noiar” a família, ok!? Não joguem lixo na rua, não peguem sacolinhas, não deixem de separar o lixo reciclável e procurem um lugar que recicle, perto de casa, da faculdade, eu já andei com sacolas com quilos de papel até a faculdade porque só lá sabia que era encaminhado para a reciclagem (detalhe, moro há quase 30 km da minha facul), sejam conscientes! Essa é minha mensagem pra vocês começarem bem esse novo caminho!

Nada de pirar achando que serão os novos defensores do planeta após saírem porta a fora com o registro do CREA (ou melhor, CAU) em mãos! CALMA GALERA! Nós somos sim o futuro da humanidade, arquitetos ou não, mas se o mal veio rápido, saibam que o bem é mais difícil, demora, contudo sei que pelo menos um dentre todos nós um dia será reconhecido por sua força, sua garra, e por lutar pelo bem do planeta, e todos os demais (mesmo com invejinha..rs) aplaudirão de pé, com o maior orgulho do mundo de dizer: “EU SOU ARQUITETO!”

“Faça do mundo que temos o mundo que queremos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close